Boleto sem Registro e o impacto da Nova Plataforma da Cobrança
Fique por dentro das últimas novidades no ambiente empresarial
Gestão do Negócio

Boleto sem Registro e o impacto da Nova Plataforma da Cobrança

Boleto sem Registro e o impacto da Nova Plataforma da Cobrança

Esse artigo foi uma indicação do colaborador Luan Stocco, Diretor de tecnologia da VHSYS.

O boleto bancário é um dos meios de pagamentos mais utilizados pelos brasileiros. Segundo a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), por ano, são realizados 3,7 bilhões de pagamentos de venda, prestação de serviços ou doações no país usando esta modalidade. Com essa grande quantidade de emissão de documentos, a Febraban desenvolveu com a rede de bancos o projeto da Nova Plataforma da Cobrança, com o objetivo de modernizar o sistema e garantir mais segurança e agilidade às operações. No entanto, essa medida extinguiu o modelo de boleto sem registro como é praticado atualmente pelas empresas e instituições.

Esse projeto traz diversas consequências para os comerciantes, especialmente para os donos de e-commerce. Confira nesse artigo o que muda com essa medida, seus impactos na vida dos lojistas e como se adaptar às alterações:

O que é o boleto sem registro? Por que ele é utilizado?

Este tipo de boleto não é registrado no sistema do banco e é emitido por quem irá receber o pagamento. O cliente não poderia pagar esse documento após seu vencimento e o protesto ficava a cargo do responsável pela emissão.

Um dos grandes diferenciais desse modelo é que, ao contrário do registrado, a taxa de emissão do documento é aplicada somente às cobranças pagas.

Esse é um dos pontos polêmicos da nova proposta, pois muitos clientes de e-commerce emitem os boletos da compra, mas desistem do negócio antes de quitá-los. Com o projeto, os lojistas teriam de pagar a taxa de emissão, mesmo que não recebam o pagamento do produto. Além disso, se houvesse alteração na data ou valor da compra, no modelo sem registro era possível realizar essas mudanças sem ter que passar pela aprovação do banco para sua efetivação.

Essa taxa por emissão era um dos motivos por muitos empresários não utilizarem o boleto com registro, mesmo com o risco à segurança da operação. Como o documento passa pelo crivo de um banco, existe maior proteção contra fraudes. Um golpe recorrente cometido no modelo sem registro, no caso das compras pela internet, é a alteração dos dados bancários por meio de um vírus de computador, desviando o valor do pagamento para terceiros. Por não ter sido registrado, não havia maneiras de contestar esse documento.

Como funciona o boleto com registro?

Essa modalidade deve ser registrada no banco que fará a cobrança e sua emissão gera uma taxa – a ser paga por quem receberá o valor, mesmo que não se efetive o pagamento. Quando o documento é emitido, a instituição financeira recebe um arquivo contendo os dados da pessoa ou empresa que irá quitar o boleto, a data de vencimento e o seu valor.

O boleto registrado tem algumas vantagens próprias: facilita a gestão de carteira – saber se o pagamento foi concretizado, quando foi realizado e por qual serviço ou produto; evita o pagamento duplicado; possui maior segurança contra fraudes; possibilita descobrir se o serviço foi realmente prestado e a mercadoria foi entregue quando não é identificado a quitação do valor e permite protestar o título não pago em um cartório.

No entanto, também há as desvantagens da cobrança de emissão e de outras taxas que devem ser pagas por quem receberá o valor do boleto. Algumas dessas tarifas que podem ser incluídas são: liquidação do documento; permanência ou manutenção; alteração de dados; protesto e cancelamento.

É o fim do boleto sem registro?

Segundo a Febraban, mesmo com a implantação da Nova Plataforma da Cobrança, o boleto sem registro poderá continuar a existir – só que com algumas limitações: o pagamento será apenas aceito em um banco específico (mesmo não estando vencido), que deverá ter um acordo com a empresa que receberá o valor. No fim das contas, isso pode desencorajar o cliente a optar por essa modalidade.

Conheça o sistema de gestão empresaria VHSYS!

Nova Plataforma da Cobrança

A implantação do projeto da Nova Plataforma da Cobrança trouxe outras mudanças para o boleto bancário. Agora é possível ao comprador pagar a modalidade registrada mesmo após seu vencimento, em qualquer instituição financeira e utilizando seus diferentes canais de pagamento – como caixas eletrônicos, internet e aplicativos. Também não é mais necessário a emissão da segunda via do boleto.

Outra alteração importante é a obrigatoriedade do documento trazer as informações do CPF ou CNPJ de quem pagará e receberá a cobrança (também constando o endereço do emissor), a data de vencimento e o valor do pagamento. Isso possibilitará a checagem dos dados descritos com os registrados no sistema para validar a operação ou não autorizá-la, caso existam divergências entre os cadastros. Nessa hipótese, a quitação será aceita apenas no banco que emitiu o boleto.

Quando as mudanças serão válidas?

A aplicação das normas da Nova Plataforma da Cobrança será realizada de forma escalada, definida por faixa de valor do boleto:

Data de início:              Valor do boleto:

10/07/2017                   Igual ou acima de R$ 50 mil   [JÁ VÁLIDA]

11/09/2017                   Igual ou acima de R$ 2 mil     [JÁ VÁLIDA]

A partir de 2018           Igual ou acima de R$ 500

A partir de 2018           Igual ou acima de R$ 200

A partir de 2018           Boletos de todos os valores

Como minha empresa pode se preparar para a mudança?

Mesmo que o valor dos boletos emitidos por seu negócio não seja contemplado pela Nova Plataforma da Cobrança imediatamente, é recomendável se adaptar às mudanças o mais cedo possível, evitando erros quando for efetivada a implementação. Tenha em mente a exigência dos dados e o pagamento das taxas adicionais dos bancos no momento de aderir ao programa e no planejamento financeiro da sua empresa.

Para adotar o modelo de boleto registrado é necessário entrar em contato com o banco antes que o cliente quite a cobrança, além de enviar à instituição financeira o documento por meio do arquivo remessa.

Uma dica para facilitar todo esse processo é usar um sistema de gestão com uma ferramenta específica para a emissão de boletos bancários, pois ele automatiza essa operação

Emita seus boletos com maior praticidade

O Boleto Fácil é a solução ideal para evitar complicações na hora de emitir essa modalidade de cobrança. O aplicativo permite registrar o boleto usando uma conta, cadastrada com CPF ou CNPJ, e realizar o processo inteiro com apenas alguns cliques.

Com a plataforma, emitir boletos bancários se torna mais fácil, ágil e seguro. É possível consultar o saldo da conta, solicitar transferências, verificar o histórico, receber e-mails de confirmação e visualizar relatórios detalhados – te dando maior controle na operação.

Além disso, com o aplicativo você pode economizar dinheiro com as tarifas bancárias, pois só é realizado o pagamento de uma taxa fixa, cobrada apenas pelos boletos pagos.

O Boleto Fácil é integrado ao software da VHSYS, centralizando todas as funcionalidades que seu negócio precisa em um mesmo sistema! Faça um teste com o nosso software e otimize a gestão da sua empresa.

Rosana Moraes
Sobre o autor
Rosana Moraes
Assistente de Marketing de Conteúdo na VHSYS. Formada em Jornalismo pela PUCPR, com especialização em Mídias Digitais pela Universidade Positivo.

deixe seu comentário

adicionar comentário
Cancelar

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário neste post. Seja o primeiro!

Visualizar mais

Espere, não vá ainda!

Informe seu nome e e-mail e receba um teste gratuito.