Conecte-se ao conhecimento

Regras para implementar Banco de Horas na empresa

De acordo com a legislação, o limite da carga horária é de 8 horas diárias, sendo 44 horas semanal. Contudo, existem casos excepcionais onde é permitido que o empregado faça 12 horas diárias, com até 4 horas extras por dia.

Nos casos de muita demanda, é possível que os trabalhadores façam até 2 horas extras por dia, o permitido por lei, que são pagas com um acréscimo de, no mínimo, 50% da remuneração convencional. No entanto, uma opção alternativa para equilibrar a jornada de trabalho é o banco de horas.

Planilha de horas trabalhadas de funcionários

Sendo assim, esse sistema nada mais é que uma flexibilização da jornada diária de trabalho, de modo a permitir a compensação de horas trabalhadas fora da jornada contratada.

Banco de horas como funciona

É importante lembrar que quando a empresa opta pela implantação do banco de horas, esse sistema só pode ser instituído por meio de convenção ou então por um acordo coletivo de trabalho. Sendo assim, a empresa precisa procurar um sindicato da categoria.

Esse modelo funciona da seguinte forma: quando o funcionário faz uma jornada diária acima da que está prevista em seu contrato, esse tempo adicional é contabilizado em um sistema. Mais tarde, o colaborador pode compensar equivalentemente esse período com folgas ou nas suas faltas justificadas que não estejam nas regras de abono.

Assim, trabalhador e empresa terão maior flexibilidade para ajustar a carga horária e possibilitar dias de descanso convenientes para os dois, sem a necessidade do pagamento de horas extras.

Na prática, se o funcionário realizar 12 horas a mais durante um determinado período de tempo (um mês, por exemplo), ele poderá tirar 12 horas de folga, conforme combinado anteriormente com a empresa. 

Lembre-se que esse acordo para definir os dias trabalhados e de descanso deve ser feito com antecedência, seja para o gestor quanto para o colaborador, para que ambos possam organizar seus compromissos.

Regras do banco de horas

Existem algumas normas que regem essa medida, criadas para evitar abusos e equívocos das partes impactadas. Segundo a lei:

  • O tempo trabalhado além da carga horária normal não pode ultrapassar 2 horas diárias;
  • Há uma data limite para compensar o período a mais no banco de horas – se não for com folga, obrigatoriamente será com pagamento de hora extra;
  • Quando a empresa tem mais de 10 colaboradores, é obrigatório anotar ou fazer um cartão de ponto para registrar o banco de horas e seu cumprimento. O funcionário também poderá anotar e ter comprovantes dos períodos trabalhados e folgados para seu próprio controle;
  • O banco de horas é válido após sua data de implementação. Todos os minutos adicionais anteriores a medida devem ser pagos como hora extra;
  • Nos casos de demissão, o colaborador receberá os minutos não descontados de acordo com o acordo ou convenção coletiva;
  • Domingos e feriados não podem ser contabilizados na modalidade, e sim devem ser considerados como hora extra, com o acréscimo de 100% da remuneração normal;
  • O banco de horas não pode ser aplicado a funcionários menores de 18 anos ou que trabalhem em atividade insalubre – nem em outros casos que também violem os Direitos Indisponíveis.

Controle das horas extras trabalhadas

A empresa é responsável por controlar as horas extras trabalhadas dos funcionários. Esse controle garante tranquilidade e segurança para os dois lados. 

Geralmente, o controle dessas horas é realizado por meio da ferramenta que faz o registro de entrada e saída dos funcionários. Há também quem utilize planilhas eletrônicas para o controle das horas extras e trabalhadas, que pode ser uma boa alternativa para as pequenas empresas com poucos funcionários.

Vale ressaltar que o controle das horas auxilia também na gestão do negócio, tornando mais simples a compreensão das necessidades de otimização dos processos e evitando a sobrecarga das equipes.

Reforma trabalhista e a mudança no banco de horas

A reforma trabalhista, sancionada em 13 de julho de 2017, alterou algumas regulamentações do regime de banco de horas. Confira como era anteriormente e como ficou após a nova lei entrar em vigor:

Antes da reforma:

  • Era exigido que a implementação do banco de horas fosse feito por acordo ou convenção coletiva, autorizado pelo sindicato da categoria;
  • O limite para compensar as horas adicionais era de até um ano.

Após a reforma:

  • Banco de horas poderá ser negociado individualmente com cada funcionário, sendo validado por meio de um acordo escrito;
  • Nestes casos, o prazo para compensar as horas adicionais é de seis meses;
  • A compensação no mesmo mês da realização das horas adicionais poderá ser feita por acordo escrito ou tácito.

Vantagens e desvantagens do banco de horas

A implantação desse modelo pode ter reflexos positivos no cotidiano de um negócio, tanto para a administração quanto para o funcionário. Para Lucélia de Souza, Coordenadora de Recursos Humanos na VHSYS, a flexibilização das horas será útil para o colaborador que, por algum motivo, precise se ausentar. 

Ao avisar antecipadamente para o gestor, não ocorrerá o desconto na sua remuneração, tendo a possibilidade de compensar as pendências até o final do banco de horas.

Com um combinado prévio entre as partes, o funcionário poderá resolver as demandas urgentes e depois ter direito à folgas extras, enquanto a empresa suprirá suas necessidades, sem acarretar em mais gastos com folha de pagamento.

No entanto, é importante ter bastante atenção com a gestão do banco de horas para evitar equívocos que prejudiquem o colaborador e a empresa.

Como implantar banco de horas

Para aderir a esta modalidade é preciso planejamento por parte da empresa que envolve tanto antes quanto durante o processo.

1- Conheça bem o modelo e as necessidades de sua empresa

Antes de tudo, é preciso entender cada regra do banco de horas. As leis que regem essa medida são nº 9.601/1998 e a da Reforma Trabalhista nº 13.467/2017.

É preciso verificar também se é preciso flexibilizar as horas do empregado e do empregador. Será realmente benéfico a implantação dessa medida no cotidiano do seu negócio? Há períodos de maior e menor demanda de vendas ou prestações de serviço? Sua companhia possui muitos gastos com horas extras? Será que o pagamento extra não seria o suficiente para atender seu caso? Considere essas e outras questões antes de tomar a decisão.

2- Defina as normas do acordo

Ao concluir que a modalidade será positiva tanto para a empresa quanto para seus colaboradores, o RH poderá formular e emitir o documento do acordo. 

Esse processo obrigatoriamente deve ser feito com o sindicato da categoria em contratos realizados antes da validação da Reforma Trabalhista. Após isso, eles poderão ser firmados individualmente com cada funcionário, sem a necessidade de convenções coletivas.

Esses acordos deverão constar detalhes como o valor por cada hora trabalhada, horários e períodos permitidos para compensação, entre outras cláusulas. Ou seja, deve-se expor todas as regras que irão reger os direitos e deveres da empresa e dos colaboradores nessa situação.

3 – Converse com os funcionários

Deixe bem claro aos seus colaboradores os benefícios e exigências da adoção do banco de horas. Essa comunicação deve ser formal, mas também é recomendável usar métodos mais didáticos para melhor compreensão de todos. 

Por exemplo: faça um guia ou um folder trazendo exemplos práticos que irão ajudar o entendimento das partes. Também prepare seus gestores e RH para esclarecer eventuais dúvidas.

4 – Faça o controle das horas

Após efetivar a adoção dessa modalidade, é necessário disponibilizar ao funcionário formas de acompanhar seus minutos adicionais ou pendentes de trabalho.

Esse monitoramento é importante para acompanhar a compensação de cada empregado – se as horas positivas estão se transformando em folgas e as negativas estão sendo repostas, evitando assim complicações futuras. Isso pode ser realizado por meio de relatórios ou então por sistemas automatizados.

Sistema de gestão de controle financeiro

Conclusão

Como visto, o banco de horas é uma boa alternativa para empreendedores e colaboradores, pois, se bem acordado, traz benefícios para ambos e permite que o negócio possa operar com mais eficiência.

No entanto, é imprescindível que haja um controle de ponto para maior segurança a todos os usuários e à própria companhia. Um bom sistema automatizado pode contribuir com esse processo, pois facilita o acesso às informações e torna sua operação mais prática. Isso vale para a gestão da jornada de trabalho e também das outras áreas da empresa.

O sistema VHSYS possibilita administrar os diferentes setores de um negócio com mais agilidade e otimização. Com módulos específicos para vendas e faturamento, financeiro, estoque e compras, ele traz uma solução completa para as necessidades da sua empresa, seja qual for seu porte ou ramo de atividade.

Além disso, o software conta com uma loja de aplicativos com ferramentas úteis para o dia a dia, como Agenda e Funcionários – desenvolvidos para ajudar na gestão e controle de seus compromissos e dos dados de seus colaboradores.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Assuntos relacionados

Cadastro Newsletter

Fique por dentro dos principais assuntos do mundo do empreendedorismo. Atualize seus conhecimentos, baixando materiais como ebooks, planilhas, vídeos e muito mais.