Conecte-se ao conhecimento

Aprenda como calcular Fator R, o que é e qual a sua importância

Como fazer o cálculo do fator R?

Bom, “Fator R” é o nome dado ao cálculo realizado mensalmente para saber se uma empresa será tributada no anexo III ou V do Simples Nacional

Se a razão entre a folha de salários ou folha de pagamento (incluído o pró-labore) dos últimos 12 meses e a receita bruta da pessoa jurídica dos últimos 12 meses for igual ou superior a 28% (vinte e oito por cento), dependendo da atividade econômica, a empresa deixará de ser tributada no anexo V e passará a ser tributada no anexo III.

Contas a pagar

Essas informações você pode conferir no  Art.18 da Lei Complementar N°123 no §§ 5o-J e 5o-M.

Embora pareça complicado, o cálculo do Fator R para enquadramento nos anexos III ou V do Simples Nacional é bem simples.

Para determinar o Fator R, devemos considerar os seguintes itens:

  • O período de apuração para o cálculo, que leva em conta os últimos 12 meses;
  • a folha de pagamentos do período de apuração, que soma as despesas com salários, encargos e pró labore dos últimos 12 meses;
  • a receita bruta total do período de apuração, que soma todos os valores faturados pela empresa nos últimos 12 meses.

Com isso, temos a seguinte fórmula de cálculo fator r:

Fator R = Folha de pagamento/Receita bruta

Informações adicionais:

  • se a folha de pagamentos for maior que zero e a Receita Bruta for igual a zero, o Fator R deverá ser considerado automaticamente como 28%;
  • se a folha de pagamentos for igual a zero e a Receita Bruta for maior que zero, o Fator R deverá ser considerado automaticamente como 1%.

Exemplo prático

Vamos supor que uma agência de publicidade faturou R$ 900.000,00 nos últimos 12 meses, mas pagou R$ 360.000,00 entre salários, encargos trabalhistas e pró-labore para os sócios.

Sendo assim, temos:

  • somatório da folha de pagamento = R$ 360.000,00;
  • somatório do faturamento: R$ 900.000,00.

Fator R =  360.000/900.000 = 0,4

Logo, a agência de publicidade teve um fator R de 0,4 ou 40% nos últimos meses — o que a qualifica para ser classificada em um anexo com alíquotas menores.

Anteriormente, a empresa estava enquadrada no Anexo V, com uma faixa de receita bruta entre R$ 720.000,00 a R$ 1.800.000,00. Nesse caso, sua tributação seria de 20,50% sobre o faturamento.

Porém, com o fator R, a tributação sobre a agência poderá migrar para o Anexo III — no qual a alíquota para a mesma faixa de faturamento é de apenas 16,00%.

Levando em conta as deduções em ambos os casos, a empresa pagaria:

  • R$ 180.994,50 mil em impostos no anexo V;
  • R$ 138.297,60 mil em impostos no anexo III.

Conclusão: com o fator R, a agência de publicidade economizou, em um ano, o valor de R$ 42.696,90 na tributação do seu Simples Nacional.

Afinal, o que é Fator R?

O Fator R é uma alíquota que relaciona dois indicadores presentes em qualquer empresa: os gastos com folha de pagamento e o faturamento bruto do negócio nos últimos 12 meses.

Representado sobre a forma de porcentagem, ele mostra quanto do faturamento da empresa é destinado ao pagamento de salários e demais encargos (incluindo Pró-Labore).

Sua existência oferece um alívio para os optantes do Simples Nacional que têm altos custos com folha de pagamento. Quanto maior o valor gasto com colaboradores, maior será o fator R e, consequentemente, menor a alíquota incidente sobre a empresa.

Por que o fator R é tão importante para as pequenas e médias empresas?

Ser pequeno empreendedor no Brasil não é fácil. Além das questões específicas do negócio, um tipo de dificuldade se destaca: a burocracia tributária.

Uma grande iniciativa para auxiliar nessa questão é o Simples Nacional. Porém, por meio de uma grande reformulação nesse regime, novas regras tributárias para as micro e pequenas empresas entraram em vigor no início do ano de 2018.

E a maior mudança, sem dúvidas, diz respeito ao novo “fator R”. Esse elemento no cálculo do Simples condiciona a tributação de algumas atividades com a relação entre: folha de salários e a receita bruta das empresas no último ano.

Em outras palavras, o fator R veio para facilitar a vida do pequeno e médio prestador de serviços. Isso acontece porque, para o Simples Nacional, o cálculo do tributo a ser pago não leva em conta as despesas e nem o lucro dessas empresas — apenas o faturamento.

Ou seja, como a alíquota é aplicada diretamente sobre a receita bruta do negócio nos últimos 12 meses, até mesmo quem registrou prejuízo durante o período pode ter que pagar o imposto.

O pagamento de salários, encargos trabalhistas e retiradas via pró-labore são custos efetivos para a empresa — principalmente quando o negócio é de pequeno porte.

Logo, a medida beneficia empresas que destinam parte considerável de seu faturamento para pagar os colaboradores. A partir de determinado nível, o fator R permite que essas empresas sejam tributadas em alíquotas mais baixas e paguem menos impostos para a Receita.

Para compreender melhor a nova configuração e como vai funcionar, separamos algumas perguntas importantes que vai te ajudar a entender melhor essa nova configuração do fator R, são elas:

  1. Como funciona o fator R no novo Simples Nacional?
  2. Que tipo de empresa pode se beneficiar com o fator R?
  3. Empresas com menos de um ano de atividade podem ter acesso ao fator R?
  4. O que concluir a partir de todas essas alterações?

Confira as respostas dessas perguntas abaixo:

Fator R novo Simples Nacional: como funciona?

Na versão atual do Simples Nacional, o funcionamento do Fator R está baseado em duas regras. Vejamos o que diz a Lei Complementar 123/2006:

“Quando a relação entre a folha de salários e a receita bruta da microempresa ou da empresa de pequeno porte for inferior a 28% (vinte e oito por cento), serão tributadas na forma do Anexo V desta Lei Complementar para as atividades previstas.”

“As atividades de prestação de serviços a que se refere o § 5o-I serão tributadas na forma do Anexo III desta Lei Complementar caso a razão entre a folha de salários e a receita bruta da pessoa jurídica seja igual ou superior a 28% (vinte e oito por cento).”

Ou seja, a primeira regra determina que se o fator R estiver abaixo de 28%, as atividades do Anexo III (que tem alíquotas menores) serão tributadas pelo Anexo V (que tem alíquotas maiores).

Já a segunda regra é o contrário: se o Fator R for superior a 28%, algumas atividades do Anexo V podem passar para o Anexo III.

Resumindo:

  • A atividade empresarial precisa estar enquadrada nos anexos III ou V, que são sujeitos ao fator R;
  • se a relação percentual entre a folha de pagamentos e a receita bruta da empresa dos últimos 12 meses for superior a 28%, a tributação será feita pelas alíquotas do Anexo III;
  • se a relação percentual entre a folha de pagamentos e a receita bruta da empresa dos últimos 12 meses for inferior a 28%, a tributação será feita pelas alíquotas do Anexo V.

Bônus

Confira as tabelas do anexo II e anexo V abaixo:

Anexo III

Alíquota e Partilha do Simples Nacional – Locação de Bens Móveis e de Prestação de Serviços
Receita Bruta em 12 mesesAlíquota NominalValor a deduzir
Até R$ 180 mil6%
De R$ 180 mil a R$ 360 mil11,2%R$ 9.360,00
De R$ 360 mil a R$ 720 mil13,5%R$ 17.640,00
De R$ 720 mil a R$ 1,8 milhões16%R$ 35.640,00
De R$ 1,8 milhões a R$ 3,6 milhões21%R$ 125.640,00
De R$ 3,6 milhões a R$ 4,8 milhões33%R$ 648.000,00

Anexo V

Alíquota e Partilha do Simples Nacional – Prestação de Serviços
Receita Bruta em 12 mesesAlíquota NominalValor a deduzir
Até R$ 180 mil15,5%
De R$ 180 mil a R$ 360 mil18%R$ 4.500,00
De R$ 360 mil a R$ 720 mil19,5%R$ 9.900,00
De R$ 720 mil a R$ 1,8 milhões20,5%R$ 17.100,00
De R$ 1,8 milhões a R$ 3,6 milhões23%R$ 62.100,00
De R$ 3,6 milhões a R$ 4,8 milhões30,5%R$ 540.000,00

Que tipo de empresa pode se beneficiar com o fator R?

Com as diversas mudanças e reformulações que a legislação passa ano após ano, é normal que os empreendedores não saibam em qual categoria o seu negócio se encaixa.

As mudanças realizadas recentemente no Simples Nacional são provas clara disso. Com a reformulação do regime, a lista de anexos — que reúne as atividades empresariais em um mesmo conjunto de regras tributárias — foi totalmente modificada.

O número de faixas de renda foi reduzido, o anexo VI foi extinto e passaram a existir apenas cinco grupos — com várias atividades migrando de um anexo para outro. Com isso, o primeiro desafio é saber quais atividades continuam a ser classificadas dentro do Fator R.

Emissor de nota fiscal VHSYS

Lista de atividades sujeitas ao fator R:

AtividadesEnquadramento
Arquitetura e urbanismoEnquadramento até 31/12/2017: Anexo VI.

Novo Enquadramento — Simples Nacional 2018: Anexo III (sujeita ao fator R)

FisioterapiaEnquadramento até 31/12/2017: Anexo III.

Novo Enquadramento — Simples Nacional 2018: Anexo III (sujeita ao fator R):

Medicina, enfermagem, odontologia, psicologia, psicanálise, terapia ocupacional, acupuntura, podologia, fonoaudiologia, clínicas de nutrição e de vacinação e bancos de leiteEnquadramento até 31/12/2017: Anexo VI.Novo Novo Enquadramento — Simples Nacional 2018: Anexo III (sujeita ao fator R)
Administração e locação de imóveis de terceirosEnquadramento até 31/12/2017: Anexo V ou VI.

Novo Enquadramento — Simples Nacional 2018: Anexo III (sujeita ao fator R)

Academias de atividades físicas, desportivas e de lazerEnquadramento até 31/12/2017: Anexo V.

Novo Enquadramento — Simples Nacional 2018: Anexo III (sujeita ao fator R)

Planejamento, confecção, manutenção e atualização de páginas eletrônicas e programas de computadores, bem como licenciamento ou cessão dos seus direitos de usoEnquadramento até 31/12/2017: Anexo V.

Novo Enquadramento — Simples Nacional 2018: Anexo III (sujeita ao fator R)

Empresas montadoras de estandes para feirasEnquadramento até 31/12/2017: Anexo V.

Novo Enquadramento — Simples Nacional 2018: Anexo III (sujeita ao fator R)

Laboratórios de análises clínicas ou de patologia clínica, serviços de tomografia, diagnósticos médicos por imagem, registros gráficos e métodos óticos, ressonância magnética e serviços de prótese, em geralEnquadramento até 31/12/2017: Anexo V.

Novo Enquadramento — Simples Nacional 2018: Anexo III (sujeita ao fator R)

Medicina veterináriaEnquadramento até 31/12/2017: Anexo VI.

Novo Enquadramento — Simples Nacional 2018: Anexo V (sujeita ao fator R)

Serviços de engenharia, medição, cartografia, topografia, geologia e geodésiaEnquadramento até 31/12/2017: Anexo VI.

Novo Enquadramento — Simples Nacional 2018: Anexo V (sujeita ao fator R)

Serviços de comissaria, de despachantes, de tradução e de interpretação, representação comercial e demais atividades de intermediação de negócios e serviços de terceirosEnquadramento até 31/12/2017: Anexo VI.Novo Novo Enquadramento — Simples Nacional 2018: Anexo V (sujeita ao fator R)
Auditoria, economia, consultoria, gestão, organização, controle, administração, perícia, leilão e avaliação de ativosEnquadramento até 31/12/2017: Anexo VI.Novo Novo Enquadramento — Simples Nacional 2018: Anexo V (sujeita ao fator R)
Jornalismo e publicidadeEnquadramento até 31/12/2017: Anexo VI.

Novo Enquadramento — Simples Nacional 2018: Anexo V (sujeita ao fator R)

Agenciamento, exceto de mão de obraEnquadramento até 31/12/2017: Anexo VI.

Novo Enquadramento — Simples Nacional 2018: Anexo V (sujeita ao fator R)

Outras prestações de serviços decorrentes do exercício de atividade intelectual (desde que não sujeitas à tributação nos anexos III ou IV)Enquadramento até 31/12/2017: Anexo VI

Empresas com menos de um ano de atividade podem ter acesso ao fator R?

A micro empresa ou empresa de pequeno porte que estiver operando há menos de um ano poderá usar o fator R para conseguir uma alíquota menor. Para isso, ela deverá adotar os seguintes procedimentos:

Empresas com início de atividades no ano anterior

Se a empresa abriu seu CNPJ no ano anterior da declaração, mas ainda não atingiu um ano de operação, o cálculo de sua receita bruta acumulada deverá acontecer pela média aritmética da receita dos meses anteriores.

Ao multiplicar o valor por 12, o resultado será a receita bruta total a ser declarada no Simples Nacional — e o valor usado para o cálculo do fator R.

Empresas com início de atividades no mesmo ano

Em caso de abertura de CNPJ no próprio ano da declaração, o cálculo da receita bruta acumulada ocorrerá da seguinte forma:

  • no primeiro mês de atividade: multiplicar por 12 a receita do primeiro mês de atividade;
  • nos 11 meses após o início de atividade: utilizar a média aritmética da receita nos meses anteriores e, então, multiplicar por 12.

O que concluir a partir de todas essas alterações?

Com as novas regras, não adianta mais tentar escapar do Anexo V por meio do enquadramento em outras atividades. A partir de agora, quem vai determinar diretamente o valor da alíquota é a sua folha de pagamento.

Porém, é importante lembrar que a regulação tributária no Brasil é complexa e cheia de pormenores que podem afetar diretamente a sua empresa.

Então, mesmo que não haja saída, é sempre importante contar com a ajuda de especialistas em contabilidade. Manter um bom planejamento tributário é primordial para as finanças do negócio, e apenas um profissional da área poderá esclarecer todas as alternativas a você.

Esperamos que o conteúdo tenha sido esclarecedor para você!

Conte o que achou na caixa de comentários abaixo:

28 COMENTÁRIOS

    • Olá, Maria
      Agradecemos muito o seu comentário e sempre que precisar, pode entrar em contato com a gente, ta?!

      Até mais! 🙂

    • Olá, Jani
      Nós é quem agradecemos pelo seu comentário.
      Aqui na VHSYS a gente está sempre buscando a melhor forma de ajudar os micro e pequenos empreendedores em seu dia a dia.
      Inscreva-se na nossa Newsletter https://materiais.vhsys.com.br/newsletter-vhsys e fique sempre por dentro dos principais assuntos sobre empreendedorismo.

      Até mais! 🙂

  1. Boa tarde! uma dúvida, uma empresa que esta sem movimento em certos meses, mas tem pró-labore, deve informar o pró-labore assim mesmo no sistema do Simples Nacional? ( a mesma não possui funcionários somente retirada de pro labore).

  2. Boa tarde!

    Ótimo conteúdo, muito obrigado.
    Fiquei com uma dúvida: a folha de salários a considerar são os valores que estão na GEFIP, correto?
    Quando tem uma rescisão, por exemplo, na GFIP aparece apenas o salário proporcional e o 13º, as demais verbas ficam de fora.
    Essas verbas que ficam de fora não contam para o cálculo?

    • Olá, Elias. Como vai?
      Agradecemos muito o seu feedback 😀
      Respondendo a sua pergunta, todas as verbas que são consideradas na folha contam para a GEFIP.

      Até mais! 🙂

  3. Parabébs pelo trabalho.de vocês. Útilíssimo. Só não desobriga que que conheçamos os dispositivos legais que tratam da matéria. Até porque, quando o cliente nos indagar ou questionar os procedimentos, não vamos poder dizer “espere aí, vou ligar à Larissa Medeiros para te explicar!” Muito obrigado.

    • Olá, Orlando. Como vai?
      Agradecemos muito o seu elogio, e é realmente isso mesmo que você falou! O empreendedor deve estar sempre afiado nas questões legais para orientar seus clientes da melhor maneira, além de facilitar o próprio trabalho com esses conhecimentos.

      Até mais 😀

  4. Ola, Larissa Medeiros,

    Parabens, pela matéria,

    Sugiro uma alteração na informação:

    No subtitulo Exemplo Prático

    No 6º paragrafo, onde se lê:

    “Levando em conta as deduções em ambos os casos, a empresa pagaria:

    R$ 180.994,50 mil em impostos no anexo IV;
    R$ 138.297,60 mil em impostos no anexo III”

    Creio que o resultado esperado seria a seguinte sentença:

    “.Levando em conta as deduções em ambos os casos, a empresa pagaria:

    R$ 180.994,50 mil em impostos no anexo ****V*****;
    R$ 138.297,60 mil em impostos no anexo III”

    Sem mais,

    • Olá, Eduardo. Tudo bem?
      Agradecemos muito o seu feedback e sugestão. Já corrigimos o detalhe no conteúdo 😀

      Até mais 😀

    • Olá, Gilberto. Tudo bem?
      Ficamos felizes em saber que você gostou do nosso conteúdo e que ele vai te ajudar na hora de encontrar um profissional contábil
      Conte com a gente 🙂

      Até mais 😀

  5. Boa noite. Achei o conteúdo interessante. Eu tenho um MEI (prestação de serviços) faturei quase 80 mil e quase estourei o limite. Esse ano tenho novos clientes e por certo iria estourar. Então estou na dúvida se fecho a MEI e abro um ME ou se faço a migração. A minha dúvida básica se refere ao Fator R. Migrando para ME, o faturamento que eu tive como MEI será considerado para o Fator R? Sim ou não. O problema é que quando MEI não tinha escrituração contábil e prolabore, etc.

    Obrigado desde já.

    • Olá, Alex. Como vai?
      Agradecemos muito o feedback e ficamos felizes que tenha curtido o nosso conteúdo 😀
      Em relação a sua dúvida, sempre recomendamos o apoio de um profissional contábil para garantir os procedimentos corretos e não gerar nenhuma dor de cabeça futura, ta ok?

      Até mais e muito sucesso 😀

    • Olá, Pablo, tudo bem?
      Ficamos felizes em saber que o conteúdo realmente te ajudou 😀
      Inscrevendo-se em nossa newsletter você recebe um conteúdo exclusivo a cada 15 dias! Confere lá!

      Até mais 🙂

  6. Olá boa tarde, como fica o cálculo do fator R para uma empresa que nos dois primeiros meses tanto o faturamento quanto a folha foram s/movimento e somente a partir do 3º mês começa a faturar e a ter folha de pagamento, como procedo com o cálculo neste 3º mês?

    • Olá, Kleber. Como vai?
      Em situações mais específicas, como a sua, recomendamos o apoio de um profissional contábil para garantir os procedimentos corretos, ta ok?

      Até mais 😀

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Assuntos relacionados

Cadastro Newsletter

Fique por dentro dos principais assuntos do mundo do empreendedorismo. Atualize seus conhecimentos, baixando materiais como ebooks, planilhas, vídeos e muito mais.