Conecte-se ao conhecimento

Sistema de Gestão Online

Saiba o que é a Substituição Tributária de ICMS e a importância disso para o seu negócio

A Substituição Tributária, mais conhecida como ICMS-ST, é um dos impostos mais complexos que existem no Brasil. 

Na maioria das vezes, essa complexidade se refere muito ao próprio cálculo dos impostos, mas se há essa dificuldade na prática, é porque a teoria também não é uma das coisas mais simples de se entender.

É por isso que criamos este conteúdo simples, mas completo, para te ajudar a entender de uma vez por todas o que é Substituição Tributária e como funciona esse imposto na empresa.

Confira!

O que é a Substituição Tributária?

O ICMS-ST nada mais é do que a operação em que o recolhimento do ICMS fica sob a responsabilidade de uma única empresa em toda a cadeia de impostos, isentando todo o resto da cadeia de contribuição sobre esse pagamento. 

Essa forma de tributação se concentra em sua maioria em indústrias e seus distribuidores.

Em um exemplo prático: imagine que uma refinaria de petróleo venda gasolina para um distribuidor, e ao emitir a nota de venda ela deve realizar a Substituição Tributária. 

Então, nesse caso, o imposto não precisará ser pago pelo seu distribuidor e nem pelo consumidor final, pois a responsabilidade ficou com a empresa.

Para que serve a Substituição Tributária do ICMS?

A necessidade da criação da ST surgiu a partir da dificuldade do Governo em fiscalizar as lojas de varejo e os distribuidores sobre o imposto. 

Nesse sentido, reter esse imposto direto da fonte, ou seja, diretamente na produção do produto, tornou a fiscalização muito mais fácil. Além disso, o fato de haver menos indústrias em relação ao restante da cadeia de distribuição, facilitou esse trabalho também.

Tipos de Substituição Tributária

Existem três modelos de substituição tributária, são eles:

  • Antecipado (para frente)
  • Diferido (para trás)
  • Concomitante (substituição)

Antecipado (para frente)

Essa é a modalidade mais comum de Substituição Tributária. 

Como você viu no exemplo do tópico anterior, o Governo tributa diretamente o produto, ou seja, recolhendo o imposto da fonte.

Diferido (para trás)

O Diferido é uma modalidade de recolhimento muito específica, ocorrendo somente em operações dentro do próprio estado e, geralmente, envolvendo produtor rural.

Nesse contexto, o  produtor irá emitir uma nota fiscal indicando a base legal para tal e o imposto será cobrado da indústria no momento de sua venda. 

Ou seja, diferente da Substituição Tributária Antecipada, no Diferido há um fato gerador antes da indústria, então o recolhimento não ocorre na primeira fonte da cadeia, mas sim, antes da sua distribuição.

Concomitante (substituição)

A Substituição Tributária Concomitante ocorre quando uma empresa assume a responsabilidade do recolhimento do imposto para uma outra empresa. 

Veja em um exemplo prático:

Uma refinaria realiza a venda do seu produto, realizando o pagamento de ICMS-ST, e contrata um autônomo para realizar o transporte do produto. Esse autônomo então cobra um valor para prestar o serviço, e a refinaria deve se responsabilizar pela Substituição Tributária que envolve essa operação de transporte.

Em resumo, a indústria paga o imposto na venda do produto e na prestação de serviço de frete da segunda empresa (autônomo).

Quando se aplica a Substituição Tributária?

A ST é baseada em uma lista atualizada pela CONFAZ, que basicamente envolve produtos que possuem código CEST e NCM/SH.

Nessa lista, atualmente, se enquadram na cobrança de ST as seguintes categorias de produtos:

  • Autopeças
  • Bebidas Quentes e Frias
  • Cigarro e outros produtos derivados do fumo
  • Cimentos
  • Ferramentas
  • Lâmpadas, reatores e “Starter”
  • Material de construção e congêneres
  • Materiais de limpeza
  • Materiais elétricos
  • Medicamentos
  • Papéis, plásticos, produtos cerâmicos e vidros.
  • Pneumáticos, câmaras de ar e protetores de borracha.
  • Produtos alimentícios
  • Produtos de papelaria

Quando NÃO se aplica a Substituição Tributária?

Existem algumas empresas que são isentas do recolhimento de ICMS-ST, de acordo com o convênio 42/18:

  • Empresas que realizam operações interestaduais de venda para indústrias que fabriquem os mesmos bens e mercadorias que estejam classificados com o mesmo Código Especificador de Substituição Tributária, ou mais conhecido como, código CEST.
  • Transações interestaduais entre matrizes e filiais, com exceção dos estabelecimentos varejistas.
  • Operações interestaduais de venda de produto intermediário,matéria-prima ou material de embalagem para indústria, desde que este não comercialize tal produto.
  • Operação interestadual para uma empresa que tenha regime especial de tributação que o obrigue a realizar a substituição tributária. Um exemplo é quando uma indústria do Paraná vende para uma empresa atacadista de São Paulo que possui regime especial de tributação, neste caso a indústria não deverá recolher o ICMS-ST.
  • Operações interestaduais envolvendo bens e produtos que são produzidos em uma escala não relevante de produção.

Substituição Tributária e vendas interestaduais

De forma resumida, quando uma empresa responsável por ICMS-ST realiza operações de venda para outro estado, esse imposto será recolhido no estado de destino, mas o responsável por esse recolhimento é quem está realizando a venda.

Códigos para identificação de produtos com Substituição Tributária

Na tributação brasileira existem diversas siglas, como CFOP, CSOSN, NCM/SH, CEST, SPED, DIFAL, IPI, COFINS, MVA…

São tantas que fica difícil saber o que são e para o que servem. 

Por isso, listamos algumas delas abaixo, que são as mais importantes que envolvem a tributação por substituição tributária.

CFOP

O CFOP, Código Fiscal de Operações e de Prestações de Mercadorias e Serviços, tem como papel classificar a natureza que a operação terá.

Considerando o tema deste post, ele indicará se será recolhido impostos como o do ST na operação e se será para dentro ou fora do estado.

Para venda dentro do estado, o CFOP sempre iniciará com 5, ou seja, 5.XXX.

Baixo, CFOPs que indicam substituição tributária na venda para dentro do mesmo estado os CFOPS: 

  • 5400, 5401, 5402, 5403, 5405, 5408, 5409, 5410, 5411, 5412, 5413, 5414 e 5415.

E para operações interestaduais, temos os seguintes CFOPs:

  • 6400, 6401, 6402, 6403, 6404, 6408, 6409, 6410, 6411, 6412, 6413, 6414 e 6415.

CSOSN e CST

Código de Situação da Operação no Simples Nacional e Código de Situação Tributária são sequências numéricas que determinam quais tributações serão aplicadas aos produtos vendidos. 

CSOSN será utilizada para regimes do Simples e CST será utilizado para o Regime Normal.

Códigos de situações que envolvem substituição tributária: 

  • CST 10 – Tributada e com cobrança do ICMS por Substituição tributária.
  • CST 30 – Isenta ou não tributada e com cobrança do ICMS por substituição tributária.
  • CST 60 – ICMS cobrado anteriormente por substituição tributária.
  • CSOSN  201 – Tributada com permissão de crédito e com cobrança do ICMS por ST
  • CSOSN  202 – Tributada sem permissão de crédito e com cobrança do ICMS por ST.
  • CSOSN  203 – Isenção do ICMS para faixa de receita bruta e com cobrança do ICMS por ST
  • CSOSN  500 – ICMS cobrado anteriormente por ST ou por antecipação.

NCM

NCM, ou Nomenclatura Comum do Mercosul, é uma convenção de categorização de produtos e mercadorias que foi adotada pelos países do Mercosul e toma por base o sistema Harmonizado.

Ou seja, para que um produto seja comercializado no Brasil, ele deverá ter um NCM atrelado.

CEST

Código Especificador da Substituição Tributária é a forma que o governo encontrou para identificar e uniformizar todas as mercadorias e os bens que estão sujeitos ao regime de substituição tributária.

MVA

A Margem de Valor Agregado é um percentual que foi definido pelo governo que deverá ser adicionado nos cálculos de substituição tributária a fim de fazer uma “previsão” de impostos que seria gerado pela cadeia. 

Esse MVA foi definido após muito estudo e através de convenções entre todas as Secretarias da fazenda dos estados, conhecida como CONFAZ.

Como calcular o ICMS-ST?

O cálculo do ICMS-ST é bastante complexo, mas vou tentar simplificar para você.

Primeiro, temos alguns componentes bem importantes para o cálculo que são:

  • Valor do Produto
  • MVA
  • Base de cálculo de ICMS-ST 
  • Alíquota do ICMS-ST

Vamos supor que estamos fazendo uma venda de São Paulo para o Paraná no qual tem as seguintes características: 

  • Valor do produto = R$ 100
  • MVA = 50%
  • Base de cálculo de ICMS-ST = Não sabemos o valor
  • Alíquota de ICMS = 12%
  • Aliquota do ICMS-ST = 18%

Não há frete, outras despesas, descontos ou IPI.

Primeiro no nosso cálculo, devemos descobrir a nossa Base de Cálculo de ICMS-ST. Então vamos lá.

Como não temos nenhum outro valor atrelado ao valor do produto nessa operação interestadual, iremos utilizar como base do valor total da nota o valor do produto, então o cálculo para descobrir a BC de ICMS-ST será:

  • Valor do produto + (Valor do produto x MVA) = BC de ICMS-ST. (100+(100*50%) = R$ 150.

Agora temos a nossa BC de ICMS-ST igual a R$150 e vamos para a segunda parte do cálculo que é calcular o ICMS na operação própria.

Como não iremos realizar a adição do Fundo de combate a pobreza, quando calculamos o ICMS na operação própria, iremos utilizar:

  • Valor do produto x Alíquota de ICMS = ICMS na operação própria. (100 * 12%) = R$12.

Agora que encontramos o valor do ICMS na operação própria, vamos encontrar o valor do ICMS-ST total para finalizar nosso cálculo.

Nessa terceira etapa, queremos encontrar o valor do ICMS ST total, para isso vamos fazer o seguinte cálculo: 

  • BC de ICMS-ST x Aliquota do ICMS-ST = Valor do ICMS-ST. (150 * 18% = R$27)

O último cálculo para encontrar o valor final do ICMS-ST que deverá ser recolhido é necessário apenas diminuir os valores de ICMS encontrados neste cálculo, ou seja:

  • Valor do ICMS-ST – ICMS na operação própria = Valor do ICMS-ST Devido.

(27 – 12 = 15).

  • Valor do ICMS-ST Devido = R$15.

Cálculo automático ICMS-ST

Muitas empresas trabalham diariamente com cálculo de ICMS-ST, dependendo de muita dedicação para garantir que ele esteja sempre correto. Mas dependendo do volume de trabalho, e principalmente da ferramenta utilizada para o cálculo, os erros tornam-se inevitáveis.

É por isso que aqui na vhsys desenvolvemos um aplicativo exclusivo de cálculo de ICMS-ST, para facilitar esse trabalho.

Em nossa loja de aplicativos, procure por “ICMS-ST”. O aplicativo faz todas as validações necessárias e calcula o imposto automaticamente, ajudando sua empresa a manter as conformidades fiscais.

Se você se interessou, mas não é cliente vhsys, clique no botão abaixo e inicie seu teste grátis:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Assuntos relacionados

Cadastro Newsletter

Fique por dentro dos principais assuntos do mundo do empreendedorismo. Atualize seus conhecimentos, baixando materiais como ebooks, planilhas, vídeos e muito mais.