Fique por dentro das últimas novidades no ambiente empresarial
Economia

Receita Federal institui taxa de impostos para investidores-anjo

Receita Federal institui taxa de impostos para investidores-anjo

Uma norma da Receita Federal, publicada em julho, estabeleceu a alíquota de tributo sobre a atividade do investidor-anjo. A Instrução Normativa RFB 1719/2017 definiu a taxa de Imposto de Renda a esta categoria de investimento, que será cobrada em cima dos rendimentos – ou seja, sobre a diferença entre a quantia investida inicialmente e o valor que o investidor irá receber.

Ainda segundo a norma, o dinheiro investido só poderá ser resgatado em sua totalidade (e não apenas seu rendimento) após o prazo mínimo de dois anos, ou de acordo com o estipulado no contrato, se este for superior a esse período.

A medida é aplicada aos contratos de participação entre investidores-anjo e micro e pequenas empresas, especialmente as que adotam o modelo de startup. Foram criadas quatro faixas de impostos, definidas de acordo com o prazo do contrato: 22,5% para prazos menores do que 180 dias; 20% para contratos entre 181 e 360 dias; 17,5% entre 361 e 720 dias; e 15 para o prazo superior a 720 dias.

A atividade dos investidores-anjo foi regulamentada em outubro de 2016, pela Lei Complementar 155/2016, o que trouxe segurança tanto a estes facilitadores quanto às empresas que recebem este tipo de aporte. No entanto, a questão dos tributos foi apenas definida recentemente.

Consequências da nova norma

A medida traz impactos às micro e pequenas empresas, pois pode desestimular a atividade dos investidores-anjo. Esse tipo de investimento é feito por pessoas físicas ou jurídicas que fazem aporte em negócios em estágio inicial, quando ainda não se tem certeza de seu sucesso. Por isso, essa modalidade é considerada de alto risco, pois quem o realiza pode não receber um centavo em troca; ao mesmo tempo em que lucrará bastante em pouco tempo, caso a empresa aportada deslanche.

Além do incentivo financeiro e de sua participação minoritária, o investidor-anjo atua como um mentor/orientador, contribuindo com seus conhecimentos e experiência para a instituição que recebeu aporte. Por esse motivo, as pessoas deste perfil costumam ter renome e longa trajetória no ramo dos negócios.

Esse tipo de investimento é muito importante para o desenvolvimento de novos projetos, trazendo um capital que é fundamental para a empresa que tem alto potencial, mas não tem recursos financeiros próprios para crescer.

Conheça o VHSYS e facilite a gestão da sua empresa!

Alternativas de crédito

Apesar disso, há outras maneiras do empreendedor ter acesso à crédito e fazer seu negócio progredir. Também em julho deste ano, a Comissão de Valores Mobiliários editou a instrução CVM 588, que permite a empresas com receita anual de até R$ 10 milhões de reais recorrerem ao financiamento coletivo para angariar capital, sem precisar de registro de oferta e de emissor na Comissão.

De acordo com a instrução, a empresa que busca recursos pode captar até R$ 5 milhões, em um prazo máximo de 180 dias, por meio desse mecanismo. O financiamento coletivo é feito por meio de uma plataforma online (com autorização da CVM), no qual o destinatário do crédito realiza uma oferta, a ser paga por diversas pessoas – físicas ou jurídicas – que tenham interesse nela.

Este é apenas um dos caminhos que o empreendedor pode escolher para obter recursos. Atualmente o governo federal também está estudando oferecer crédito a pequenas empresas por meio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDS).

Nessas situações, a melhor prática é sempre pesquisar antes de fechar um contrato e realizar os cálculos necessários a respeito das taxas praticadas por cada modalidade. Obtenha todas as informações possíveis, planeje bem e converse com seus sócios antes de tomar uma decisão final.

Tenha maior controle sobre a gestão da sua empresa

Para conseguir investimentos, o empreendedor precisa – além de uma boa ideia de negócio – apresentar os dados da empresa e as projeções de diversas áreas. Planilhas de orçamentos, despesas e investimentos, aquisição de cliente, resultados consolidados e previsões a longo prazo são apenas algumas informações solicitadas pelos investidores. Muitas análises e cálculos devem ser feitos para convencê-lo de que seu empreendimento merece o aporte.

Mas isso é apenas o começo. Quando a empresa começar a operar ou crescer exponencialmente, será mais desafiador ter controle sobre as operações administrativas – especialmente o financeiro. As planilhas poderão não dar conta dos fluxos de trabalho, além de não serem práticas de preencher ou fáceis de se armazenar. E isso pode acabar prejudicando o negócio.

Por isso, é importante investir em um sistema de gestão online como o VHSYS. Com ele, o empreendedor e os gestores podem manusear vários dados dos diferentes setores com agilidade e eficiência. É possível ter maior controle do financeiro, vendas e faturamento, estoque, compras e serviços – tudo com apenas alguns cliques.

Além disso, o software gera relatórios detalhados sobre as despesas e receitas, vendas e comissão, produtos mais vendidos, movimento do estoque, e até sobre os clientes inadimplentes. Todos esses dados irão ajudar na tomada de decisões, auxiliando no desenvolvimento da sua empresa.

Quer saber mais sobre como o sistema VHSYS pode ajudar seu negócio? Faça um teste gratuito e explore os recursos do nosso software.

Rosana Moraes
Sobre o autor
Rosana Moraes
Assistente de Marketing de Conteúdo na VHSYS. Formada em Jornalismo pela PUCPR, com especialização em Mídias Digitais pela Universidade Positivo.

deixe seu comentário

adicionar comentário
Cancelar

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário neste post. Seja o primeiro!

Visualizar mais