Conecte-se ao conhecimento

Sistema de Gestão Online

Manutenção de créditos de PIS e COFINS nos produtos sujeitos a tratamento tributário diferenciado (regime monofásico )

Sabe-se que as contribuições sociais denominadas de PIS (Programa de Integração Social) e COFINS (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social) – instituídas, respectivamente, pelas Leis Complementares n.º 7, de 1970 e n.º 70, de 1991 – incidem sobre o faturamento das pessoas jurídicas de direito privado.

Existem duas modalidades de incidência dessas contribuições, sendo uma de efeitos cumulativos e outra de efeitos não-cumulativos.

A incidência cumulativa era o único regime vigente para o PIS e a COFINS antes das Leis n.º 10.637, de 2002 e n.º 10.833, de 2003, sendo que após a edição das referidas normas, a regra – para as empresas optantes pela apuração do Imposto de Renda segundo o regime do lucro real – passou a ser a aplicação do princípio da não-cumulatividade na cobrança das referidas contribuições sociais[1].

Então, para as pessoas jurídicas de direito privado enquadradas no regime real do imposto de renda, vigora atualmente o regime da não cumulatividade do PIS e da COFINS. Isso significa que, pela sistemática atual, é possível a apropriação de créditos decorrentes da aplicação das alíquotas vigentes de PIS e COFINS (respectivamente, de 1,65% e 7,6%)  sobre o valor de todas operações que lhe causem custo, despesa ou encargo, sendo que esse montante pode ser compensado com o valor a pagar pela aplicação das mesmas alíquotas vigentes de referidas contribuições sociais sobre o faturamento da empresa.

Ocorre que o artigo 195, §9.º, da Constituição Federal, autorizou a adoção de  alíquotas e/ou bases de cálculo diferenciadas para as contribuições sociais incidentes para as empresas, isso “em razão da atividade econômica, da utilização intensiva de mão-de-obra, do porte da empresa ou da condição estrutural do mercado de trabalho”.

Como conseqüência, o Governo Federal – em relação a alguns setores da economia considerados estratégicos para a arrecadação tributária – instituiu uma sistemática diferenciada de pagamento do PIS e da COFINS.

Por muitos denominada de incidência monofásica, essa técnica especial de arrecadação consiste em cobrar de apenas um contribuinte as contribuições

sociais que incidiriam em toda a cadeia de produção, distribuição e comercialização, isso pela aplicação de uma alíquota majorada ao PIS e COFINSdevidos pelo fabricante ou importador.

A Secretaria da Receita Federal tem preferido o termo Tratamento Tributário Diferenciado, o que também julgamos mais correto, pois incidência monofásica significaria que nas demais etapas da cadeia de produção não haveria incidência das referidas contribuições sociais, o que não é verdade. De fato, há incidência das referidas contribuições sociais, mas se aplica alíquota zero à base de cálculo, de maneira que em termos práticos não ocorre o pagamento de ditas contribuições sociais.

Pelas normas consolidadas em nosso sistema jurídico, sujeitam-se a tratamento tributário diferenciado vários produtos farmacêuticos, de perfumaria, toucador e higiene pessoal, máquinas e veículos, pneus novos de borracha e câmaras-de-ar de borracha, bem como alguns tipos de autopeças classificadas na TIPI.

Ocorre que até a edição da Lei n.º 11.033, de 21 de dezembro de 2004,   não era possível a tomada de crédito quanto a esses produtos sujeitos a tratamento tributário diferenciado, conforme ordem emanada tanto do artigo 3.º, inciso I, alínea “b”, da Lei n.º 10.637/02, quanto do artigo 3.º, inciso I, alínea “b”, da Lei n.º 10.833/03.

Ainda que naquela época algumas vozes da doutrina proclamassem a inconstitucionalidade de tais normas, especialmente por ofensa ao princípio da não-cumulatividade do PIS e da COFINS (artigo 195, §12, CF), até a edição da Lei n.º 11.033, de 2.004, não era recomendável que se tomasse crédito decorrente da aquisição para revenda de produtos sujeitos a tratamento tributário diferenciado, porque a pretensão do contribuinte esbarrava em expressas previsões normativas.

Acontece que essa situação foi modificada com a entrada em vigor do artigo 17 da Lei n.º 11.033, de 2004, que estipula:

Art. 17. As vendas efetuadas com suspensão, isenção, alíquota 0 (zero) ou não incidência da Contribuição para o PIS/PASEP e daCOFINS não impedem a manutenção, pelo vendedor, dos créditos vinculados a essas operações. (grifou-se)

Ora, essa norma retrata a situação dos produtos sujeitos a tratamento tributário diferenciado. Como o PIS e a COFINS já incidiram com alíquota majorada para o industrial ou importador, as subseqüentes operações de venda praticadas com referidos produtos pelas demais pessoas jurídicas da cadeia de circulação estão sujeitas à alíquota zero, sendo que até a edição do art. 17 da Lei n.º 11.033, de 2.004, não era possível a tomada de créditos do valor desses custos. A partir da entrada em vigor da referida norma essa situação se modificou, positivando-se em nosso ordenamento jurídico a possibilidade de manutenção de crédito referente aos produtos sujeitos a tratamento tributário diferenciado.

É oportuno observar que o artigo 17 da Lei n.º 11.033, de 2004, não fez menção nem restringiu a possibilidade de manutenção dos créditos apenas em relação a determinados produtos ou atividades, sendo geral para o sistema, possibilitando a utilização dos créditos em quaisquer situações, desde que os mesmos estejam vinculados à venda efetuada com base em alíquota zero de PIS e COFINS.

Entretanto, a Secretaria da Receita Federal tem se posicionado contrariamente à manutenção de crédito pelos revendedores de produtos sujeitos a tratamento tributário diferenciado, sendo ainda que considera que o artigo 17 da Lei n.º 11.033, de 2004, não revogou o disposto no artigo 3º, inciso I, alínea “b” da Lei n.º 10.637, de 2.002 e também no artigo 3º, inciso I, alínea “b”, da Lei n.º 10.833, 2003. Basta ver algumas respostas a processos administrativos de consulta realizados por contribuintes, cujos teores transcrevem-se abaixo:

“SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 68 de 19 de maio de 2006
ASSUNTO: Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social – Cofins

EMENTA: INCIDÊNCIA NÃO-CUMULATIVA. VENDAS EFETUADAS COM ALÍQUOTA ZERO. MANUTENÇÃO DO CRÉDITO. COMERCIANTE ATACADISTA OU VAREJISTA DE PRODUTOS SUJEITOS A TRIBUTAÇÃO CONCENTRADA NO FABRICANTE OU IMPORTADOR. INEXISTÊNCIA DE CRÉDITO VINCULADO ÀS VENDAS. A pessoa jurídica não poderá descontar créditos relativos a mercadorias e produtos adquiridos para revenda, sujeitos à tributação concentrada no fabricante ou importador, uma vez que o art. 17 da Lei nº 11.033, de 2004, que prevê a manutenção de créditos decorrentes de custos, despesas e encargos incorridos na atividade da pessoa jurídica, onerados pela Cofins, vinculados às vendas efetuadas com suspensão, isenção, alíquota zero ou não-incidência dessa contribuição, não revoga, sequer tacitamente, o art. 3º, inciso I, alínea “b”, da Lei nº 10.637, de 2002, com redação da Lei nº 10.865, de 2004, dispositivo esse que veda o desconto de créditos relativamente a aquisições de bens para revenda sujeitos a alíquotas concentradas da referida exação.”

“SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 57 de 07 de abril de 2006
ASSUNTO: Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social – Cofins

EMENTA: INCIDÊNCIA NÃO-CUMULATIVA. VENDAS EFETUADAS COM ALÍQUOTA ZERO. MANUTENÇÃO DO CRÉDITO. COMERCIANTE ATACADISTA OU VAREJISTA DE PRODUTOS SUJEITOS A TRIBUTAÇÃO CONCENTRADA NO FABRICANTE OU IMPORTADOR. INEXISTÊNCIA DE CRÉD ITO VINCULADO ÀS VENDAS. O art. 17 da Lei nº 11.033, de 2004, que prevê, a partir de 9 de agosto de 2004, a manutenção de

créditos decorrentes de custos, despesas e encargos incorridos na atividade da pessoa jurídica, onerados pela Cofins, vinculado s às vendas efetuadas com suspensão, isenção, alíquota zero ou não-incidência dessa contribuição, não revoga, sequer tacitamente, o art. 3º, inciso I, alínea “b”, da Lei nº 10.833, de 2003, com redação da Lei nº 10.865, de 2004, dispositivo esse que veda o desconto de créditos relativamente a aquisições de bens para revenda sujeitos a alíquotas concentradas da referida exação. Reforma da Solução de Consulta SRRF10/Disit nº 40, de 2006.”

Com a devida vênia, essa posição adotada pela Secretaria da Receita Federal é absurda e não pode prevalecer, pois – ao contrário do que considera o Fisco Federal – o artigo 17 da Lei n.º 11.033 revogou tacitamente as normas que impediam a tomada de crédito decorrente da aquisição para revenda de produtos sujeitos a tratamento tributário diferenciado, já que nesse ponto a norma nova é incompatível com as leis anteriores.

Sendo assim, diante da indevida oposição da Secretaria da Receita Federal em aplicar aos produtos sujeitos a tratamento tributário diferenciado o disposto no artigo 17 da Lei n.º 11.033, de 2.004, resta aos contribuintes o socorro ao Poder Judiciário, com o ajuizamento de ações competentes para assegurar esse direito.

A partir de uma decisão judicial que garanta a manutenção dos créditos de PIS e COFINS na forma do art. 17 da Lei n.º 11.033, de 2004, as empresas que realizarem compra para revenda de produtos sujeitos a tratamento tributário diferenciado terão à sua disposição importante crédito para compensação PIS, COFINS e demais tributos sob a administração da Secretaria da Receita Federal. Inclusive, é possível que se garanta em juízo a manutenção de créditos de referidas contribuições sociais desde a entrada em vigor do artigo 17 da Lei n.º 11.033, o que se deu em 22 de dezembro de 2004 (artigo 23, inciso III, da referida norma).

[1]. Convém ressalvar, contudo, que o regime cumulativo das contribuições discutidas continou a existir nas hipóteses excepcionais e taxativas do artigo 8.º da Lei n.º 10.637, de 2002 (em relação ao PIS) , bem como do artigo 10 da Lei n.º 10.833, de 2003 (quanto à COFINS) . Dentre as várias exceções, verifica-se que continuam excluídas da não-cumulatividade as atividades econômicas quando praticadas por pessoas jurídicas enquadradas no SIMPLES e as tributadas com base no lucro presumido ou arbitrado e também as pessoas jurídicas imunes a impostos. Além disso, algumas pessoas jurídicas ficam sujeitas à legislação especial, sendo que em relação a elas persiste a sistemática da cumulatividade quanto à receita proveniente de alguns produtos ou serviços.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Assuntos relacionados

Cadastro Newsletter

Fique por dentro dos principais assuntos do mundo do empreendedorismo. Atualize seus conhecimentos, baixando materiais como ebooks, planilhas, vídeos e muito mais.