O que é startup e como funciona?

Bruna Wagner

Startup é um dos termos mais ouvidos nos últimos anos, principalmente entre os empreendedores.

Atualmente, muita gente pensa em abrir o seu próprio negócio e criar uma startup pode ser o sonho da maioria das pessoas. Mas, não são todos os modelos de empresas que podem ser uma startup.

Esse tipo de negócio possui suas características próprias. Uma delas, é a busca por soluções que gerem valor para a sociedade no geral, a partir da tecnologia.

Neste post, vamos te ajudar a entender o que é startup, como funciona, seus tipos, investimento e exemplos de sucesso do mercado. Confira!

O que é uma startup?

Existem diversas opiniões relacionadas a definição do que é uma startup. Alguns dizem que é uma pequena empresa em sua fase inicial. Outras pessoas dizem que é um negócio com baixo custo, que tem grande potencial de crescimento.

A melhor definição para startup significado é: uma empresa jovem, que tem um modelo de negócio escalável e repetível, com grande potencial de crescimento.

Além disso, passa por um cenário de incertezas até ganhar forma e também precisa ser movida a inovação e tecnologia, para não ser comparada a uma empresa tradicional.

No livro The Lean Startup, o autor Eric Ries, define uma startup como “uma instituição humana desenhada para criar um novo produto ou serviço em condições de extrema incerteza”.

Resumindo, para uma empresa ser considerada uma startup ela precisa:

  • Ser inovadora;
  • Escalável;
  • Repetível;
  • Tecnológica;
  • Ter alto potencial de crescimento e lucratividade.

>> Entenda a função do CEO na startup

Características de uma startup

Depois de entender o que é startup, é importante conhecer as principais características desse modelo de negócio. Afinal, não são todas as empresas que podem ser consideradas uma startup.

Mas, por que uma nova empresa não pode ser considerada uma startup?

Vamos a um exemplo: na esquina se sua casa abriu uma loja de bolos e tortas. Vamos supor que no início, eles produzem cerca de 50 bolos por dia. Conforme a freguesia aumenta, passa a ser necessário fabricar ainda mais tortas.

Dessa forma, a loja de bolos precisará de mais mão de obra, assim como matéria-prima como trigo, fermento e demais ingredientes. Além de que, possivelmente terá que procurar um lugar maior para poder atender seus clientes.

Conseguiu perceber como esse modelo não é repetível e escalável? Em uma startup, o produto não é personalizável e consegue ser vendido da mesma forma para uma quantidade muito grande de clientes. Por isso, é escalável e lucrativo.

A partir disso, é importante você entender algumas das características das startups brasileiras e do mundo, que são:

Inovação: Pode-se dizer que a missão de uma startup é encontrar soluções práticas dos problemas enfrentados pelas pessoas;

Flexibilidade: A tomada de decisões em uma startup precisa ser ágil. A empresa precisa se adaptar às necessidades de mercado e de seus clientes de forma rápida para que tenha sucesso. Por isso, é muito importante que tenha seus processos muito bem definidos;

Escalabilidade: O produto além de trazer soluções, precisa também ganhar escala. Além disso, uma startup precisa crescer sem aumentar seus custos, de forma proporcional.

>> Conheça os perfis de pessoa que uma startup precisa

Tipos de startups

Os tipos de startups são definidos de acordo com o nicho de mercado em que atuam. Em algum momento você já ouviu falar sobre Fintechs, HR Techs, LawTechs, entre outras.

Essa nomenclatura, define o nicho de mercado que elas atendem. De acordo com o exemplo acima, elas tem soluções para finanças, recursos humanos, advocacia, entre outros.

Normalmente, os tipos de clientes que atendem são de três tipos: B2B, B2C e B2B2C.

O B2B ou Business to Business, são startups que atendem outras empresas. Por exemplo, um sistema de gestão (ERP), que é um programa criado para auxiliar no controle administrativo de empresas.

O B2C ou Business to Consumer, são empresas que atendem o consumidor final. Por exemplo, o Uber. A empresa fornece um aplicativo voltado para o consumidor de forma direta.

O B2B2C ou Business to Business to Consumer, é quando uma empresa faz negócio com outra, com o objetivo de vender para o cliente final seu produto. Um exemplo é o Uber Eats, que intermedia a venda de produtos de restaurantes, para o consumidor final.

>> Conheça 35 termos que todo empreendedor precisa saber

Como criar uma startup?

Independente do modelo de negócio, é sempre difícil criar uma empresa. Mas, quando se fala em startups, o processo pode ser ainda mais complexo.

O primeiro passo para criar um negócio desse modelo, é ter uma ideia inovadora. Como vimos anteriormente, a principal característica de uma startup é a criação da solução de um problema em nível de sociedade. Portanto, é necessário que seja gerado valor para o público que deseja atender.

Além disso, você precisa estudar o mercado. Dessa forma, é preciso analisar se já existem soluções como a sua, qual o seu diferencial, quem vai atender, porque as pessoas comprariam o seu produto ou serviço.

Outro passo importante, é criar um MVP (Mínimo Produto Viável). Ele serve como uma espécie de protótipo, que vai te ajudar a entender se sua ideia tem viabilidade.

Além disso, é a partir desse protótipo que você conseguirá ter visão se seu produto ou serviço é escalável e repetível. Um livro que pode ajudar o empreendedor neste momento, é o Startup Enxuta, do autor Eric Ries.

A princípio, uma startup tem início com poucas pessoas. Mas, é preciso que no começo você procure parceiros e até sócios, que tenham habilidades diferentes das suas.

É recomendado que a equipe, mesmo que inicial, tenha visão de negócio, marketing e técnica. Assim, é muito mais fácil colocar o produto no mercado e ter os primeiros resultados.

Posteriormente, com a empresa funcionando e o produto no mercado colhendo os primeiros resultados, é hora de procurar investidores. Vamos te ajudar a entender os tipos de investimentos no tópico abaixo.

Tipos de investimento

Pode se dizer que todas as startups passam por investimento. Afinal, desde o momento que ela é aberta, o próprio dono ou sócios, investiram uma quantidade de capital no negócio.

Mas, existem alguns tipos de investimentos para que as startups levantem capital para continuar crescendo.

Um dos modelos é o bootstrapping. Esse tipo de investimento é feito pelos donos do negócio, que tiram dinheiro do bolso para investir na empresa. Normalmente, isso é registrado em contrato social, onde cada um passa a receber uma cota dos lucros, conforme o valor investido.

O investimento-anjo é um dos mais comuns. Geralmente, eles são feitos por pessoas físicas em empresas que têm alto potencial de crescimento. Além disso, esse tipo de investimento não é apenas de dinheiro.

Mas, o investidor também se torna mentor do negócio, trazendo orientações para que a empresa tenha mais sucesso.

Por fim, outro modelo de investimento muito comum é o Venture Capital. Ele é feito para apoiar a operação da startup e sua expansão, porém acontece por meio da compra de ações da empresa.

Normalmente, a porcentagem de ações que o investidor compra é pequena, mas dessa forma passa a ter lucro com a startup aportada.

Existem diversos outros tipos de investimento. O indicado é que analise muito bem esses modelos e qual se adapta melhor ao momento de sua empresa.

>> Conheça a importância do investidor-anjo

Startup Weekend

O Startup Weekend é um evento de empreendedorismo organizado pelo Google for Entrepreneurs, no Brasil e mundo. Ele é voltado para desenvolvedores, designers e entusiastas.

O objetivo do evento é que as equipes criem em 54 horas (sexta, sábado e domingo), um novo modelo de negócio. Nesse período, são criados planos de negócios e uma pequena versão do produto. Dessa forma, ao final do prazo, há uma avaliação dos projetos por especialistas e empreendedores.

Ao mesmo tempo, o evento é uma grande oportunidade que os empreendedores têm de fazer networking, encontrar novos parceiros, investidores e até de criar um novo modelo de negócio lucrativo.

Exemplos de startups de sucesso

Quem vê o tamanho do Uber, Nubank, Netflix, pode não imaginar que eles surgiram de forma pequena e tiveram muitos erros ao longo do caminho. Hoje, são consideradas unicórnios, empresas que valem mais de US$ 1 bilhão. Conheça um pouco mais de suas histórias.

Uber

Quem nunca pensou em ter um motorista particular? O Uber trouxe para o mundo, a possibilidade das pessoas terem a disposição um motorista, para se deslocar para onde quiser, por um baixo custo.

De forma escalável e lucrativa, o Uber está presente no mundo todo, com uma frota gigante de carros, lucrando a partir da porcentagem das viagens feitas pelos motoristas cadastrados. Negócio 5 estrelas, não é mesmo?

Nubank

O Nubank surgiu com a proposta de simplificar os serviços financeiros. Além de ser um cartão sem taxas, se tornou um banco sem portas giratórias, filas e burocracia. Hoje, a fintech possui soluções como cartão de crédito e conta bancária, com o melhor atendimento do país.

Netflix

A Netflix surgiu em 1997, com a ideia principal de ser um delivery de DVD. Partindo dessa ideia e da evolução tecnológica, a empresa apostou no streaming. Hoje, temos à disposição filmes, séries e documentários em apenas alguns cliques e por uma pequena mensalidade. Atualmente, a empresa vale milhões e continua revolucionando o mundo do entretenimento.

E aí, conseguiu tirar todas as suas dúvidas sobre o que são startups? Espero te ajudado 🙂

Receba conteúdos exclusivos em seu email e fique por dentro das últimas novidades no ambiente empresarial!

Bruna Wagner
Sobre o autor
Bruna Wagner
Jornalista por formação, começou a atuar com comunicação e marketing durante a faculdade. É apaixonada por produzir conteúdos ricos que ajudam empresários a chegar ao sucesso com seu negócio. Atua como Assistente de Conteúdo, na VHSYS.

deixe seu comentário

adicionar comentário
Cancelar

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário neste post. Seja o primeiro!

Visualizar mais
Rated 4.9/5 based on 11 avaliações