5 Mulheres empreendedoras que você precisa conhecer

Rosana Moraes

mulheres-empreendedoras

O aumento expressivo de mulheres no empreendedorismo, a conquista e a luta por cargos hierárquicos de confiança e mulheres empreendedoras criaram grandes cases de sucesso. Por isso, neste dia 8 de março, separamos uma lista com grandes nomes que você precisa conhecer!

O Sistema Nacional de Informações de Gênero – SNIG – que integra o Programa de Estatísticas de Gênero no IBGE publicou, em 2014, o livro “Estatísticas de Gênero – Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010”, uma análise ampla dos dados censitários que abrange o período entre 2000 e 2010 para traçar a situação das mulheres no mercado de trabalho através da coleta de informações de idade, local de moradia, etnia e classes.

A análise, fruto de anos de estudos socioeconômicos, nos mostra como a participação das mulheres na educação e no mercado de trabalho vem crescendo, em contraste às desigualdades socioeconômicas nacionais.

Preparamos um artigo neste 8 de março para falarmos sobre as mulheres no empreendedorismo e seus desafios. Acompanhe!

Aumente a produtividade da sua empresa com o sistema de gestão do VHSYS

Acesso à educação

De acordo com o livro do SNIG, a expansão do sistema escolar brasileiro (ocorrido entre 2000 e 2010), elevou a frequência escolar de meninos e meninas entre 6 a 14 anos de idade, “universalizando” o acesso à escola.

Segundo os dados do Censo Demográfico 2010, 54,7% de mulheres (adolescentes de 15 a 17 anos) frequentavam o ensino médio e, no ensino superior, as mulheres que completaram a graduação é 25% superior a dos homens.

Outro fator positivo é a redução da gravidez precoce entre adolescentes, que na última década caiu de 14,8% para 11,8%.

As mulheres no mercado de trabalho

No mercado de trabalho, o estudo mostra que até 2010 a taxa de atividade das mulheres era de 54,6% contra os 75,7% dos homens. Apesar de ainda haver variação entre mulheres e homens, essa variação reduziu na última década, com o aumento da participação das mulheres no mercado de trabalho, principalmente mulheres entre 16 e 30 anos.

Mulheres no empreendedorismo

empreendedoras-que-voce-precisa-conhecer-08-03-blog-vhsys-02Os dados publicados pelo Sebrae, a partir da pesquisa Global Entrepeunership Monitor (GEM), mostrou que 52% dos novos empreendedores são mulheres e a participação feminina no empreendedorismo vem crescendo em todas as regiões do país.

Em entrevista à revista Exame, o presidente do Sebrae, Luiz Barreto afirma que essa mudança no perfil dos novos empreendedores dá-se por conta do maior acesso à educação, onde as mulheres investem em qualificação e acesso às informações, sem deixar espaço para amadorismo.

Mulheres empreendedoras de sucesso

Agora vamos falar de cinco mulheres empreendedoras que são referências de empreendedorismo no Brasil.

heloisa-helena-assisZica Assis

Zica Assis entrou lista de uma das 10 mulheres de negócios mais poderosas do Brasil, segundo a Forbes. Fundadora do Instituto Beleza Natural, maior rede do Brasil especializada em cabelos crespos e ondulados, com 13 salões (10 no Estado do Rio de Janeiro, 2 no Espírito Santo e um na Bahia), 1.700 funcionários, um Centro de Desenvolvimento Técnico, uma fábrica de produtos próprios com capacidade de produção de 300 toneladas por mês e crescimento de 30% ao ano.

ana-fontesAna Lúcia Fontes

Ana Lúcia Fontes é Graduada em Propaganda, com pós-graduação em Marketing e Relações Internacionais. Especialista em empreendedorismo feminino, é a idealizadora da Rede Mulher Empreendedora, a primeira e maior rede de apoio a empreendedoras do Brasil.

Em seu currículo, reúne passagens por empresas como Banco Volkswagen, Volkswagen do Brasil e FEBRABAN, além de ter sido uma das 4 finalistas do programa Women Change Makers, da Womanity Foundation.

reginatchellyRegina Tchelly

A paraibana Regina Tchelly é uma cozinheira autodidata que com o Favela Orgânica ensina as pessoas a aproveitarem os alimentos em sua totalidade, reduzindo, assim, o desperdício de alimentos.

O projeto, que começou em 2011 nas comunidades Babilônia e Chapéu Mangueira, na zona sul do Rio de Janeiro, tem como objetivo promover uma profunda mudança na cultura de consumo de alimentos. A cozinha sustentável de Tchelly conquistou o Brasil e, em pouco tempo, alcançou outros países, chegando a participar de um dos maiores eventos de gastronomia do mundo, o Slow Food, na Itália.

01sabin_internaSandra Costa e Janete Vaz

Por último, vem a dupla Sandra Costa e Janete Vaz, duas bioquímicas que criaram um dos negócios mais bem-sucedidos no ramo de saúde do Brasil, o Laboratório Sabin. As sócias, que já eram amigas de longa data, buscaram na capacitação o combustível para a criação do Sabin. Com 30 anos de experiência, Janete e Sandra ainda possuem uma ótima sinergia entre si e disposição para aprender coisas novas, fazendo delas dois grandes nomes do empreendedorismo feminino brasileiro.

Concluindo

A pesquisa GEM também aponta que as mulheres iniciam uma empresa após identificarem uma oportunidade trabalho. Ou seja, elas estão deixando de empreender apenas para complementar a renda familiar e, sim, pela oportunidade.

O empreendimento também permite que as mulheres ganhem mais autonomia sobre seus horários e carga de trabalho.

Portanto, concluímos que as mulheres não só estão se inserindo cada vez mais no mercado de trabalho, como estão investindo nas capacitações específicas e explorando diversas áreas, unindo oportunidade e profissionalismo em um mercado cada vez mais competitivo.

Às nossas leitoras, vocês também são mulheres empreendedoras e donas do próprio negócio? Compartilhem conosco suas experiências!

Até a próxima!

Receba conteúdos exclusivos em seu email e fique por dentro das últimas novidades no ambiente empresarial!

Rosana Moraes
Sobre o autor
Rosana Moraes
Assistente de Marketing de Conteúdo na VHSYS. Formada em Jornalismo pela PUCPR, com especialização em Mídias Digitais pela Universidade Positivo.