Dólar fecha em alta, a R$ 2,45, maior nível desde 2008

VHSYS

O dólar avançou cerca de 2% ante o real e renovou a máxima em quase cinco anos ao chegar ao patamar de R$ 2,45, diante de forte movimento especulativo e após investidores interpretarem a ata da última reunião do Federal Reserve (FED, banco central americano) como um sinal de que a redução do estímulo nos Estados Unidos está próxima. O dólar avançou 2,39%, para R$ 2,4512 na venda, após tocar R$ 2,4523 na máxima do dia. É o maior nível de fechamento desde 9 de dezembro de 2008, quando ficou em R$ 2,473 na venda, auge da crise internacional.

O movimento aconteceu mesmo com a forte atuação do Banco Central (BC), que fez dois leilões de swap cambial tradicional – equivalentes a venda futura de dólares -, anunciou mais um para a próxima sessão e, após o fechamento dos negócios, divulgou que fará um leilão de linha na quinta-feira.

“O mercado lá fora piorou devido ao FED e, como aqui o mercado está estupidamente especulativo, a notícia que era um pouco ruim lá fora fica aqui péssima”, afirmou o operador de uma corretora internacional.

A ata da última reunião do FED mostrou que apenas alguns integrantes do banco central norte-americano acreditam que o momento de reduzir o estímulo monetário no país está próximo, mas fez pouco para dissuadir a expectativa disseminada de que isso deve ocorrer já em setembro.

Investidores mantêm os olhos abertos para quaisquer sinais sobre a eventual redução do ritmo de compra de títulos do FED, uma vez que, quando ocorrer, reduzirá a oferta de dólares nos mercados globais, catapultando as cotações da divisa dos EUA.

No entanto, o avanço do dólar no Brasil era mais forte do que o observado em relação a outras moedas de países emergentes. Sobre uma cesta de moedas, o dólar tinha alta de 0,5%. “O negócio perde um pouco a lógica, vendo o tamanho da valorização da moeda comparada com outros países”, disse o operador de câmbio da B&T Corretora Marcos Trabbold.

Segundo ele, a pressão de fortalecimento do dólar vem principalmente do mercado futuro, com o que chamou de um “ataque especulativo” à moeda, e que as condições de liquidez no mercado à vista estão normais. Essa tese é corroborada pelos dados mais recentes do fluxo cambial, que mostraram entrada líquida de US$ 812 milhões na semana passada.

 Reuters News

Receba conteúdos exclusivos em seu email e fique por dentro das últimas novidades no ambiente empresarial!

VHSYS
Sobre o autor
VHSYS
A VHSYS foi desenvolvido para que o empreendedor possa utilizar a tecnologia a serviço do seu negócio. Nosso objetivo é ajudar o micro e pequeno empresário a fazer a gestão eficiente de sua empresa, com maior produtividade e melhor aproveitamento dos recursos disponíveis.

deixe seu comentário

adicionar comentário
Cancelar

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário neste post. Seja o primeiro!

Visualizar mais
Rated 4.9/5 based on 11 avaliações