Banco do Brasil endurece políticas de crédito a micro e pequenas empresas

VHSYS

Na esteira das instituições privadas, o Banco do Brasil adotou uma postura mais conservadora na concessão de crédito para micro e pequenas empresas (MPEs). Balanço divulgado ontem pelo banco indica maior seletividade e aumento de coberturas.

Os resultados da instituição referentes ao terceiro trimestre deste ano mostram que os financiamentos para micro e pequenas empresas com mais de 10 anos de relacionamento com o BB aumentaram sua participação na carteira de crédito para o segmento, que apresentou crescimento em 2014.

No terceiro trimestre do ano passado, 37% das empresas eram clientes do banco há mais de 10 anos, enquanto no mesmo período de 2014 a participação de firmas com mais de 10 anos no BB na carteira de crédito saltou para 39,6% – alta de 7%.

O share das MPEs com menos de dois anos de relacionamento com a instituição, por sua vez, reduziu consideravelmente, passando de 7,3% em 2013 para 6,1% neste ano – queda de 16,4%.

“Quanto maior o tempo de relacionamento, mais confortável e mais próximo fica o cliente do banco, e as possibilidades de fazer negócios se ampliam”, afirmou Ivan Monteiro, vice-presidente de Gestão Financeira e de Relações com Investidores do BB, em coletiva de imprensa realizada ontem.

Cobertura de crédito

Além de apostar nos clientes com históricos mais longos na instituição, o banco também ampliou o suporte para cobrir o crédito liberado para as micro e pequenas empresas.

De acordo com o balanço, os fundos garantidores de crédito para MPEs do BB – os Fundo de Aval às Micro e Pequenas Empresas (Fampe) e Fundo Garantidor de Operações (FGO) – cresceram 15% na comparação entre os terceiros trimestre, saltando de R$ 20,4 bilhões para R$ 23,5 bilhões.

A evolução é o dobro da evolução da carteira de crédito do segmento, que cresceu 7,5%, passando de R$ 94,4 bilhões para R$ 101,5 bilhões. O cruzamento dos dados aponta que, atualmente, os fundos cobrem 23,1% do total de crédito liberado para MPEs, contra os 21,6% que cobriam no terceiro trimestre do ano passado.

O analista da Planner Corretora Victor Martins vê a estratégia de trabalhar com clientes mais antigos do BB como uma forma de mitigar riscos. “Assim, eles trabalham com empresas que já têm produtos no banco, e conseguem traçar um histórico de bons pagadores”, observou o analista.

O aumento do provisionamento com fundos, segundo Martins, segue na mesma linha, porém tem efeitos menos efetivos. “A velocidade com que o BB vai rodar essa carteira é que vai mostrar o caminho que ele quer seguir”, avaliou o analista. “Acredito que o ritmo de empréstimos (para MPEs) vai desacelerar até o banco ver uma janela para voltar a emprestar”, completou.

Lucro abaixo do esperado

O lucro líquido contábil do Banco do Brasil foi de R$ 2,78 bilhões no último trimestre, alta de 2,8% sobre o terceiro trimestre do ano passado, porém recuo de 1,7% em relação ao trimestre anterior e abaixo dos maiores concorrentes privados – o Bradesco registrou lucro líquido de R$ 3,87 bilhões e o Itaú R$ 5,40 bilhões.

A margem financeira líquida do banco – diferença entre os gastos com captação e os ganhos com empréstimos – fechou setembro em R$ 7,73 bilhões, impulsionada, assim como nos outros bancos, pelos ganhos com tesouraria, que registrou alta de 5,7% em relação o terceiro trimestre de 2013.

Na avaliação de Lenon Borges, analista da Ativa Corretora, os resultados do BB foram travados pelo aumento nas despesas com provisão para crédito de liquidação duvidosa – usada para suprir os calotes -, que cresceu 16,8% no período, fechando o trimestre em R$ 4,57 bilhões, também com alta acima dos concorrentes: no Bradesco o aumento foi de 4,3% e no Itaú de 4,5%.

Essas perdas são descontadas da margem bruta e diminuem a receita com crédito dos bancos. Segundo Borges, o empréstimo para MPEs, que é de alto risco, pode ter sido um dos fatores que ocasionou o aumento das provisões para devedores duvidosos. “Eu acho que o Banco do Brasil deve continuar seguindo a estratégia dos concorrentes e alocar os recursos em carteiras com menores riscos”, analisou.

Link: http://www2.4mail.com.br/Artigo/Display/036919000000000

Fonte: Fenacon e DCI – Diário Comércio Indústria & Serviços

Receba conteúdos exclusivos em seu email e fique por dentro das últimas novidades no ambiente empresarial!

VHSYS
Sobre o autor
VHSYS
A VHSYS foi desenvolvido para que o empreendedor possa utilizar a tecnologia a serviço do seu negócio. Nosso objetivo é ajudar o micro e pequeno empresário a fazer a gestão eficiente de sua empresa, com maior produtividade e melhor aproveitamento dos recursos disponíveis.

deixe seu comentário

adicionar comentário
Cancelar

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário neste post. Seja o primeiro!

Visualizar mais
Rated 4.9/5 based on 11 avaliações

FECHAR

VHSYS - Sistema de Gestão Empresarial