Balança comercial tem pior resultado para novembro em 12 anos - VHSYS Blog

Balança comercial tem pior resultado para novembro em 12 anos

VHSYS

A Balança comercial brasileira registrou Déficit (importações maiores do que exportações) de US$ 186 milhões em novembro deste ano, informou o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) nesta segunda-feira (3). Trata-se do pior saldo, para meses de novembro, desde 2000 (-US$ 654 milhões).

Em novembro deste ano, as exportações somaram US$ 20,47 bilhões, ou US$ 1,02 bilhão de média diária, o que representa uma queda de 6% sobre o mesmo mês de 2011. Ao mesmo tempo, as importações totalizaram US$ 20,65 bilhões, ou US$ 1,03 bilhão por dia útil. Isso representa um recuo de 2,6% sobre novembro de 2011.

A secretária de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Tatiana Prazeres, informou que a instrução normativa 1.282 da Receita Federal concedeu um prazo, em julho deste ano, de 50 dias para a Petrobras registrar nas estatísticas da Balança comercial as importações de petróleo e derivados, como combustíveis.

Com isso, houve um “represamento” da contabilização de importações de petróleo e combustíveis realizadas nos últimos meses nos dados oficiais da Balança comercial brasileira – cuja maior parte acabou sendo registrada, segundo ela, somente em novembro. “Há concentração maior neste mês [de novembro]. Essa situação diz respeito à regularização de operações [de petróleo e combustíveis]. Boa parte das operações já foi regularizada”, declarou Prazeres a jornalistas.

Acumulado do ano

No acumulado dos onze primeiros meses deste ano, ainda segundo números oficiais, as exportações superaram as compras do exterior, resultando em superávit da balança comercial, em US$ 17,18 bilhões. O valor representa uma queda de 33,9% frente ao mesmo período do ano passado – quando o saldo comercial positivo somou US$ 25,99 bilhões.

A queda do saldo comercial brasileiro acontece em meio à crise financeira internacional. Com crescimento menor da Economia mundial, as exportações para outros países diminuem. A crise financeira também gera acirramento da competição internacional por mercados compradores, como o Brasil, e também dificulta as vendas externas brasileiras em outras nações.

No parcial de janeiro a novembro de 2012, as exportações somaram US$ 222,83 bilhões, com média diária de US$ 964 milhões, enquanto as compras do exterior totalizaram US$ 205,64 bilhões (média de US$ 890 milhões por dia útil). Em relação ao mesmo período de 2011, as vendas externas tiveram queda de 5,6% e as importações recuaram 2%, de acordo com dados do governo federal.

Resultado de 2011 fechado

Em todo o ano de 2011, o superávit da Balança comercial brasileira somou US$ 29,79 bilhões. Com isso, o superávit da Balança comercial registrou crescimento de 47,8% em relação ao ano de 2010, quando o saldo positivo totalizou US$ 20,15 bilhões. Trata-se, também, do maior superávit da Balança comercial desde 2007 (US$ 40,03 bilhões). Em 2008 e 2009, respectivamente, o saldo comercial somou US$ 24,95 bilhões e US$ 25,27 bilhões.

Perspectivas para 2012

Para 2012, ano que está sendo marcado pelos efeitos da crise financeira internacional, com a previsão de crescimento do PIB de 1,27%, e pela concorrência acirrada pelos mercados que ainda registram Crescimento econômico – como é o caso do Brasil –, os economistas dos bancos acreditam que o valor do superávit da Balança comercial (exportações menos importações) registrará queda, atingindo cerca de US$ 20 bilhões.

O Banco Central, por sua vez, projeta um superávit da Balança comercial de US$ 18 bilhões para este ano. Já a Confederação Nacional da Indústria (CNI) prevê um saldo comercial positivo de US$ 19,7 bilhões neste ano.

Fonte: G1

Receba conteúdos exclusivos em seu email e fique por dentro das últimas novidades no ambiente empresarial!

VHSYS
Sobre o autor
VHSYS
A VHSYS foi desenvolvido para que o empreendedor possa utilizar a tecnologia a serviço do seu negócio. Nosso objetivo é ajudar o micro e pequeno empresário a fazer a gestão eficiente de sua empresa, com maior produtividade e melhor aproveitamento dos recursos disponíveis.

deixe seu comentário

adicionar comentário
Cancelar

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário neste post. Seja o primeiro!

Visualizar mais